• A gente tende a falar de tendências

    5 Aug 2013
  • Mais do que uma responsabilidade do meu trabalho como CEO de uma empresa de consultoria, acompanhar tendências, é uma paixão.
    Não só do setor de RH e consultoria, mas também de comportamento, moda, life style, música… O que tenho observado é que quando falamos de tendências, elas estão cada vez mais misturadas, interligadas de forma que geram impacto em vários setores e áreas das nossas vidas.
    Voltando ao assunto inicial, quando olho para o mercado de RH e recrutamento, em especial, algumas questões tem aparecido com constância no radar da Cia de Talentos.

    A primeira delas é o “Big Data”. Mais do que um grande volume de dados, o Big Data permite que dados desestruturados, de diversas fontes sejam analisados de forma conjunta para produzir novas informações e olhares sobre temas antigos. No Vale do Silício, diversas startups já estão trabalhando com esta tecnologia, através de ferramentas que buscam em toda a web e fora dela informações sobre as pessoas e organiza-as de forma relevante para entender e conhecer essa pessoa como um potencial candidato a uma vaga ou empresa. Tá bom, mas como isso muda a sua vida? Muda no sentido de que você deve ficar cada vez mais consciente das informações que publica nas redes sociais e do que permite que vá para a internet. Num mundo global, é natural que ao longo do tempo as práticas e tecnologias também se internacionalizem, ou seja, apesar de ainda não usarmos o Big Data em recrutamento por aqui, não se surpreenda se isso em breve, virar realidade.

    Outra abordagem relativamente nova, mas que vem ganhando força é a seleção por cultura e valores. No passado o elemento mais importante de uma contratação era o conhecimento técnico, teórico, a informação. Depois vivemos um longo período em que o ponto-chave de uma seleção era o comportamento, que foi consolidado nos modelos de competências – cada empresa desenvolveu o seu próprio modelo de comportamentos e atitudes esperados para seus funcionários e estes servem até hoje como guias para escolher quem vai entrar e como as pessoas precisam se desenvolver dentro de cada organização.

    Estes modelos ainda são extremamente válidos, mas não estão mais sozinhos. Junto ao modelo de comportamentos, empresas estão cada vez mais empenhadas em alinhar, definir e divulgar sua cultura para atrair e selecionar talentos que além do tal perfil comportamental também estão em linha com os valores que movem e direcionam o negócio. Está mais do que provado que quando as pessoas fazem parte de uma cultura que compartilham e ambiente do qual se sintam parte, elas produzem mais e melhor.

    Para terminar (por enquanto) esta conversa sobre tendências, não podemos deixar de falar de uma grande e ampla discussão chamada: experiência do usuário, aqui no nosso caso, candidato ou potencial funcionário. Por que se tornou tão importante? Primeiro, porque as pessoas têm cada vez mais informações, e de posse dela se tornam mais críticas e exigentes. Essa exigência move as empresas e RH’s na direção de incluir esta variável nas suas decisões: além de se preocupar com a efetividade (Este processo seletivo funciona? Essa avaliação de desempenho é fiel à realidade?), ganha a força a preocupação se esta experiência de viver o processo seletivo ou a avaliação de desempenho também é boa e gera aprendizados para o candidato ou funcionário. A Cia de Talentos, que sempre teve essa preocupação, se sente muito confortável em promover essa conversa e ver cada vez mais empresas pensando em você, candidato, talento, pessoa.

    Estar atento às tendências é (ainda bem!) uma missão sem fim. Fico muito feliz de ser uma das embaixadoras dessa causa por aqui e por aí.

    E você? Já está vendo estas tendências virando realidade? Tem alguma outra pra contar pra gente?

    por Maíra Habimorad
    CEO da Cia de Talentos

  • Compartilhe:
    Tags: