• Estágio ou Iniciação Científica: qual a melhor receita para a sua carreira?

    27 May 2014
  • Você já parou para pensar como pode encontrar o que ama fazer? Seria mais fácil se tivesse uma receita, certo?! Você faz isso, depois aquilo…e no final? Pura felicidade!!! Infelizmente (ou felizmente) o caminho não é tão linear. E fique atento: nunca será! Isso porque durante a vida, especialmente na faculdade, você se depara com centenas de novas situações e conhecimentos. O que fazer? O que escolher? Se pudesse dar um conselho, diria: ESCOLHA TUDO! Entre em contato com saberes diversos, pessoas diferentes de você e atividades que você nunca pensou em fazer. Por quê? Porque com o tempo você descobrirá o que mais ama fazer. Além disso, em algum momento da sua vida, você com certeza usará o que aprendeu nessas situações. Quer um exemplo? Steve Jobs, fundador da Apple, desistiu de concluir a graduação, mas continuou assistindo algumas disciplinas. Uma delas era caligrafia. Faz algum sentido aprender caligrafia hoje? Provavelmente nem no momento em que Steve estava, fazia um grande sentido ou uma grande diferença para a carreira dele. E o que ele fez 10 anos mais tarde com o que aprendeu na caligrafia? Criou as opções de fontes, um recurso utilizado até hoje por bilhões de usuários de computador.

    Um resumo para tudo que foi discutido anteriormente é: escolha menos e vivencie mais.

    Iniciação científica ou estágio? Os dois! A iniciação te leva a ter contato com os professores, profundidade em alguns temas, desenvolve sua lógica/método, te ensina a ler e escrever a partir de uma abordagem analítica, enquanto o estágio te levará a ter vivências práticas, contato com profissionais experientes, desenvolverá seu foco no resultado de curto prazo e a possibilidade de ver o reflexo das ações que você desenvolveu.

    Trabalhando com Recrutamento e Seleção de jovens, vejo que as competências mais requeridas pelas empresas atualmente envolvem comportamentos que são aprendidos tanto no Estágio, como na Iniciação Científica. Capacidade de análise e capacidade de encontrar soluções rapidamente, por exemplo, são comportamentos procurados em um candidato.

    A mensagem final é: não se acomode, não procure o caminho mais fácil ou certo (porque não existe), não imite o colega ao lado ou faça um check list de vivências que todo mundo precisa ter. Descubra o que é melhor para você, vivendo! Parafraseando Steve Jobs, “mantenha-se faminto”.

    por Bárbara Galvão
    Consultora Head de Processos Seletivos da Companhia de Talentos

  • Compartilhe:
    Tags: