• Abrindo as portas…

    30 Aug 2013
  • Apesar de ainda ser muito jovem (20 anos), considero que comecei minha vida profissional cedo. Ainda no ensino fundamental, ajudava minha mãe com suas viagens de São Paulo ao litoral para vender doces e eletrônicos e ajudava meu irmão a cuidar de sua pequena loja de roupas. Porém, pude sentir o que é trabalhar de verdade quando, aos 14 anos, comecei a trabalhar em uma pizzaria em São Paulo, localizada em um bairro periférico na Zona Sul.

    Foram cerca de quatro meses intensos para um garoto que fazia de tudo! Desde limpar o chão até preparar os ingredientes para o pizzaiolo. Nesse período percebi que o duro não era o trabalho, mas sim a falta de propósito naquilo que eu fazia. Desde então aprendi a importância de trabalhar com propósito e me espelhar em mentores e líderes alinhados com meus valores. Aprendi também a importância de criar uma rede de valor compartilhado, o famoso networking.

    Toda vez que ouço alguém conversando sobre networking me vem à cabeça a diferença entre a pessoa interessada e a interesseira. Para mim, o interesseiro é aquele cara que está em um evento e sai distribuindo cartões sem conhecer as pessoas, sem ao menos se preocupar em saber mais sobre os interesses de quem está conhecendo. Já o interessado, é aquele que prioriza o interesse do outro e o seu também, é aquele que compartilha informações e possibilidades que podem ajudar sua rede e procura entender como agregar.

    O resultado disso, é que o interessado consegue mais oportunidades que o próprio interesseiro, e tenho visto isso acontecer bem de perto. Na minha própria vida, nunca precisei pedir um emprego, pois minha rede de valor compartilhado gerou isso sempre que precisei. Começou quando terminei meu curso técnico e fui convidado para dar aulas de logística. Em seguida, um grande palestrante brasileiro me deu a oportunidade de ser o assessor de mídias de sua empresa. Não tão tarde, o executivo de uma consultoria me chamou para trabalhar com CRM. E por fim, fui convidado para trabalhar com Eventos e Parcerias Universitárias aqui na Cia de Talentos.

    Esta última, aliás, é uma história curiosa que vale a pena!
    Tive a oportunidade de conhecer a Sofia Esteves, fundadora do Grupo DMRH/Cia de Talentos, em um evento da Endeavor, onde ela contou sua trajetória inspiradora. Um ano depois, ao participar de um chat promovido pela página da Cia de Talentos no Facebook, concorri e ganhei o livro “Carreira: você está cuidando da sua?”. Fui ao escritório buscá-lo. Foi uma ótima oportunidade de conhecer melhor a empresa e algumas pessoas. Estas também me conheceram melhor, e as portas foram abertas. Logo recebi o convite para trabalhar aqui, empresa na qual me identifico muito.

    Isso me mostrou que um posicionamento interessado e a procura por um propósito naquilo que faz, vale muito. Pense no outro além de pensar em si mesmo e verá como a mágica acontece. Pelo menos para mim foi assim. E caso não seja uma total verdade, deve ter alguma Sofia por aqui que possa me ensinar sobre a essência de tudo isso.

    Por Francisco Abrunhosa Jr
    Analista de Eventos e Parcerias Universitárias da Cia de Talentos

  • Compartilhe:
    Tags: